O que uma porta quebrada me ensinou…

Um dia desses, que estava frio e chovendo horrores, eu fiquei presa dentro do meu carro. LITERALMENTE.

A maçaneta interna quebrou. Ela não abria e não fechava. Pra completar, o vidro não estava descendo inteiro para que eu pudesse tentar abrir por fora. Tive que pular pro banco do carona e sair do carro.

Na chuva, no frio, eu dei umas 5 voltas no carro testando as portas e o alarme. E sempre a porta do motorista ficava completamente destrancada e desprotegida.

Bom, não havia o que ser feito. Cancelei a reunião que eu estava indo, entrei de novo no carro (pela porta do motorista, de fora pra dentro, tava tudo bem) e fiz o que qualquer adulto responsável faria: liguei pro meu pai.

Antes de acabar de discar, lembrei que estava frio, chovendo e meus pais estavam cuidando da minha vó. Não era uma boa preocupá-los por tão pouco. Lembrei também que tinha o celular do mecânico e liguei. De cara ele já me disse que não resolvia aquele tipo de problema e me indicou quem resolvesse.

Em 5 minutos cheguei no profissional. Em 10 minutos ele já tinha diagnosticado meu carro e me pedido pra deixer ele lá pro orçamento e tal. Sei que no final das contas, no final da tarde, tudo já tinha sido resolvido. Eu tinha arrumado o carro (graças a deusa não ficou caro) e feito a reunião que eu tinha desmarcado (era importante e eu tinha uma grande decisão a tomar depois dessa reunião – quem sabe eu conto outro dia).

E por que eu to te contando isso?

Porque no final do dia, cansada, o perrengue do carro foi apenas mais uma questão. E aí eu percebi: Cara, é assim que eu quero levar os perrengues da vida.

Pode parecer bobo, ou você me olhar e dizer: dane-se eu sempre lidei assim com meus problemas.

Mas eu não. Eu sou geminiana, meu amor. Meu sobrenome é DRAMA! Ainda que muito pé no chão, tinham pequenas coisas que me pegavam no contra pé e me deixavam meio bad. E tatu do bem, viu? É só mais uma característica sua.

O que mudou nessa situação? Eu só passei por ela, sem julgamentos. Só na frieza de resolver o que precisava ser resolvido. Levei pra vida uma característica que eu já tinha na vida profissional pra gestão de crise. E por aqui, meu amor, é assim: cada vitória é uma celebração!

Um viva às pequenas vitórias cotidianas e aos perrengues nossos de cada dia!

2 comentários em “O que uma porta quebrada me ensinou…

  1. É bacana compartilhar aprendizados, muitas vezes deixamos de fazê-lo por achar tolo, mas no fundo, quanta coisa aprendemos em momentos como esse, não precisamos sofrer para descobrir a roda, ela já foi descoberta, devemos sim é buscar a melhoria constante, e por analogia, é trabalhar na busca de nossa reforma pessoal, sem desesperos, alardes ou desperdício de esforços. Tem o problema…busca a solução!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: